You Are Here: Home » Geral » O incesto de Ló e suas duas filhas

O incesto de Ló e suas duas filhas

incesto-entre-paisAfinal Ló cometeu ou não incesto com suas duas filhas? Fechou Deus os olhos à embriaguez de Ló e a gerar ele filhos pelas suas próprias filhas?

A resposta a esta pergunta precisa ser obtida à luz do fundo histórico deste incidente e da sua relação com outros textos na escritura sagrada.

Ló e suas duas filhas foram as únicas pessoas a sobreviver à destruição de Sodoma e Gomorra. Depois desta destruição, começaram a residir na cidade de Zoar. Entretanto, por algum motivo, Ló tinha medo de continuar a morar ali, e, junto com as suas filhas, passou a residir numa caverna [Gênesis 19:30].  A primogênita disse então à sua irmã mais moça: “Nosso pai já é velho e não há homem no país para ter relações conosco segundo o costume de toda a terra. Vem, demos de beber vinho a nosso pai e deitemo-nos com ele, e preservemos descendência a nosso pai.” [Gênesis 19:31-32].

Ao decidirem embriagar seu pai nos faz pensar que se davam conta de que ele nunca teria consentido em ter relações sexuais com elas quando sóbrio. Mas, nas circunstâncias, achavam que era a única maneira de impedir a extinção da família de Ló. Eram estrangeiras na terra e não havia ninguém de seu parentesco com quem elas se pudessem casar e assim preservar a linhagem da família. Também precisa ser lembrado que as filhas de Ló haviam morado entre os habitantes moralmente degradados de Sodoma. Em vista destes fatores, não lhes teria sido difícil justificar seu proceder na sua própria mente. Então, por que aparece a narrativa nas Escrituras?

A narrativa não é apresentada na Bíblia para estimular pensamentos eróticos. Está ali para uma finalidade revelando a relação dos moabitas e dos amonitas com os descendentes de Abraão, que ficaram conhecidos como israelitas. Visto que Ló era sobrinho de Abraão, os israelitas estavam aparentados com os moabitas e os amonitas, que descendiam dos dois filhos gerados por Ló por meio de suas filhas [Gênesis 11:27]. Mais tarde, esta relação carnal veio também a governar as ações de Israel nos tratos com os moabitas e os amonitas. Por exemplo, ao se apossarem da terra ao leste do rio Jordão, os israelitas, sob ordens divinas, tiveram cuidado de não invadir as terras dos amonitas e dos moabitas [Deuteronômio 2:9]; [Deuteronômio 2:18-19].

Fica qualquer leitor sincero da Bíblia em dúvida quanto à conclusão que se deve tirar desta narrativa a respeito de Ló e suas filhas? Acha ele, talvez, que tal conduta seja aprovada por Deus?

É verdade que em Gênesis, capítulo 19, apresentam-se os fatos históricos sem qualquer comentário sobre a aprovação ou desaprovação por parte de Deus do duplo incesto de Ló, no estado de embriaguez. Mas, em partes posteriores do registro bíblico, especifica-se claramente, vez após vez, a condenação da embriaguez por parte de Deus. [Provérbios 20:1; Provérbios 23:20; Provérbios 21; Provérbios 29]; [1 Coríntios 6:9-10]. Do mesmo modo, na sua Lei dada a Israel, Deus esclareceu mais tarde sua proibição do incesto, dizendo: “Não vos deveis chegar, nenhum de vós, a qualquer parente carnal que lhe seja chegado, para descobrir a nudez. . . Não deves descobrir a nudez de teu pai nem a nudez de tua mãe.” (Levítico 18:6-7]. A penalidade pela violação da lei do incesto era a morte [Levítico 18:29]. Embora Ló e suas filhas não estivessem sob a Lei, apercebiam-se, não obstante, da impropriedade de terem relações com seu próprio pai, conforme elas mostram o terem embriagado.

Então, por que é Ló chamado “justo”, em [2 Pedro 2:8]? Não porque Deus aprovou ele embriagar-se, nem porque Deus aprovou o incesto. Deus não aprova tal conduta. Mas deve ser observado que o registro não diz nada para indicar que Ló era beberrão habitual, nem que se envolveu habitualmente em atos de incesto. Sua reputação era a de um homem ‘justo’, e ele tinha esta reputação perante Deus, que examina o coração. Ló deplorava as ‘ações contra a lei’ das pessoas de Sodoma. E, evidentemente, para que o Examinador dos corações o considerasse como justo, Ló deve também ter lamentado a conduta errada em que ficou envolvido.

A inclusão da informação sobre Ló e suas filhas no registro bíblico deve realmente ajudar-nos a reconhecer que a Bíblia é um livro da verdade. Mesmo quando os conhecidos como servos de Deus ficaram envolvidos em atos impróprios, a Bíblia não os esconde. Entretanto, estas coisas são sempre narradas, não para divertir ou para estimular um desejo de se entregar à conduta imoral, mas para fornecer o fundo histórico para a compreensão de outros acontecimentos.

Artigos Relacionados:

Mulçumano pede proibição da Bíblia por difamar o nome de alguns profetas

By Aucenir Gouveia

Print Friendly

Autor

Poeta, Filósofo, Político. Pós graduado em Administração Pública e Gestão Pública. Ex-Funcionário do BB, Ex-Vereador e atualmente Servidor Público. Gerente da Agência do Trabalhador [SINE] da SEJU/MTE do Governo do Estado do Paraná, na Cidade de Mandaguaçu.

Number of Entries : 219

Comentários (1)

  • Nilton Bicalho

    Fico a me perguntar depois de ler todo o texto, seria incesto o que os filhos de Adão e Eva fizeram??? Afinal tiveram mais filhos né? Filhos de relações entre irmãos.

    Responder

Comente

© 2013-2017 Site hospedado por:

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.
Ir ao Topo