You Are Here: Home » Documentários » Os pecadores religiosos ‘guardiães’ da Santa Igreja Católica

Os pecadores religiosos ‘guardiães’ da Santa Igreja Católica

Muitas instituições religiosas no mundo, ao longo da história, são responsabilizadas por tantos crimes e acobertamentos de crimes praticados por seus ‘guardiães’, uma delas é a  Santa Igreja Católica. O farto cardápio inclui desde mortes na fogueira a pedofilia. Para  Cristo, a Igreja é imaculada e se situa num patamar de santidade, portanto, imune aos pecados temporais. Mas a imagem da Igreja de Cristo foi maculada por seus infiéis guardiães religiosos ao longo dos tempos, algumas vezes cobrando preço de sangue e traumas irrecuperáveis. Jesus foi traído por um pecador ‘Judas’ e a Igreja de Cristo por centenas de milhares de ‘guardiães infiéis’ pecadores.

Cremação fogueira

Cremação fogueira

Vamos aos fatos. Com a invenção das famigeradas cruzadas, os cavaleiros da fé saquearam, torturaram e mataram milhares de seres humanos. Eliminaram os homens do mau para impor a Santa Verdade. Em 1099, por exemplo, ao entrar em Jerusalém para expulsar os muçulmanos, os líderes da cruzada, massacraram 70 mil pessoas. O rei Luiz, da França, tido como um santo católico tinha uma prática mais sutil: levava os blasfemadores a pelourinhos e os matava com ferros em brasas, que transpassavam suas línguas. Segundo ele, esses não voltariam a blasfemar.

Em 1231,  os guardiães da Igreja fundaram uma máquina de extermínio: a Santa Inquisição. Por ela passaram quase 1 milhão de pessoas, essencialmente hereges, judeus, muçulmanos e “bruxos”. Precursor de Hitler, o religioso Diego Rodrigues Lucero queimou vivos 107 judeus convertidos ao cristianismo. Isso sem falar na cobrança de indulgências, loteamento do céu e aplicação de preços monetários para que os fiéis chegassem ao Paraíso. Tudo em nome de Deus. Tudo em nome da Igreja Católica Apostólica Romana.

Na Idade Média, os guardiães da Igreja haviam proibido que mulheres cantassem no coral das igrejas. Para não ficar sem as necessárias vozes sopranos, os representantes de Deus encontraram uma solução ungida: castrar jovens meninos cuja voz tenha sido considerada bela. Assim, nos corais da Santa Igreja não faltariam nunca os sopranos e contraltos.

Mas não é só sob o manto do passado que se esconde a ficha criminal dos guardiães da Santa Sé. Adaptada ao presente, o único senão é a proibição de mandar gente para a fogueira. Duas modalidades veneradas por padres atualmente são a pedofilia e o abuso sexual de mulheres. Só nos Estados Unidos, recentemente foi constatado que 1,2 mil sacerdotes teriam abusado de mais de 4 mil crianças. O lamaçal que envolveu 161 dioceses, desmoronou algumas delas, que tiveram que ser fechadas para pagar indenizações às vítimas. O abuso à mulheres também é comum nas paróquias mundiais. A socióloga da religião, Regina Soares Juskewicz lançou um pouco de luz nas trevas paroquiais. Num aprofundado estudo, ela analisou 21 casos de abusos dessa natureza e constatou que a prioridade dos guardiães da Igreja nesse tipo de crime é acobertá-lo a qualquer custo. Há até um decálogo que ensina os líderes a agir em face de abusos sexuais envolvendo padres. Nele inclui subornar a vítima em troca do silêncio, desqualificação pública da vítima e exaltação das qualidades do agressor, como bom prestador de serviços à comunidade. No último mandamento, os guardiães em nome da Igreja se posicionam do lado do agressor e faz todos os esforços para que o crime seja jogado no mar do esquecimento.

Sãos muitos os guardiães da Igreja que não se importam de conviver com um rosário de pecados. O importante é não gerar escândalo. Em outras palavras: peque, mas esconda a sete chaves. O problema é que abuso de mulheres e crianças não é simplesmente pecado contra as leis divinas. É crime, sujeito a punição terrena, que inclui prisão e indenização da vítima.

Ainda vivo João Paulo II pediu perdão pelos “erros” que os guardiães religiosos têm praticados em nome da Igreja Católica ao longo dos tempos. Pronto. Num ato, a Santa Sé se redimiu para sempre com os milhões de injustiçados em séculos de história.

Reflexão: Pecados conhecidos por outros precisam ser confessados para restabelecer a comunhão. Mateus 18:15-17, diz: “Se teu irmão pecar [contra ti], vai argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano.”

Com informações Adventismo em foco

Texto original: Os crimes da igreja Católica por Anderson Alcântara

Print Friendly

Autor

Poeta, Filósofo, Político. Pós graduado em Administração Pública e Gestão Pública. Ex-Funcionário do BB, Ex-Vereador e atualmente Servidor Público. Gerente da Agência do Trabalhador [SINE] da SEJU/MTE do Governo do Estado do Paraná, na Cidade de Mandaguaçu.

Number of Entries : 222

Comente

© 2013-2017 Site hospedado por:

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.
Ir ao Topo