You Are Here: Home » Reflexão » Parábola das ramagens e o jardineiro pecador

Parábola das ramagens e o jardineiro pecador

Há alguns meses notei que uma pequena planta crescia, espalhava-se pelo chão de meu jardim e subia num toco de árvore com uma linda orquídea – uma intrusa. Parecia um belo ornamento e crescia rapidamente, e não demorou a se espalhar completamente entre as demais plantas e o pequeno pomar de hortaliças.

Fiquei assustado! Quando caí em si, suas raízes já estavam grossas, entrelaçadas e profundas. Percebi que demorei demais para agir. Vi a beleza das outras plantas ser coberta pelas ramagens da invasora.

Tomei coragem e, com uma boa tesoura de jardinagem, comecei a cortar ramo a ramo até chegar às suas raízes. Foi um trabalho árduo e cansativo. Aquela plantinha inocente e linda nunca foi o que parecia. Suas folhas demonstravam beleza, mas fazia parte dominante de uma espécie de cipó maligno.

Sorrateiramente queria destruir e não adornar. Exausto, parei para descansar. Sentei-me e pus-me a pensar que aquela ramagem era uma ilustração do que o pecado (a desobediência a Deus) faz na vida de uma pessoa: engana como aquele cipó. É como uma bebida doce que entra e nos bebe a alma com bobagens e sabor de amor.

Ramagens crescendo no jardim

Ramagens crescendo no jardim

Surge demonstrando encanto e beleza, entra e começa o seu trabalho destruidor. No início tudo é poesia. Com o passar do tempo as ramagens da planta se espalham, as folhas multiplicam-se, as raízes se aprofundam e a vida está ameaçada de ser literalmente dominada por ela.

Então começa a luta para livrar-se do mal que invadiu meu jardim. A Palavra em (Romanos 6:14) diz: “O pecado não os dominará, porque vocês  não estão debaixo da lei, mas da graça.” A Palavra explica neste versículo que a pessoa tem o desejo de fazer o que é bom, mas não consegue porque o pecado já passou a dominá-la. Já não faz o bem, por causa do pecado que está dentro dela. Tornou-se um mísero servo do pecado. A única solução é cortar a ramagem daninha dos seus desejos e desenterrar suas raízes [a desobediência].

Nós mesmos não temos forças para fazê-lo. Por isso necessitamos da ajuda do Senhor Jesus. Ele pagou o preço de nossos pecados na cruz do calvário, Nele devemos confiar e buscar o que necessitamos. Mediante a fé nós podemos receber o perdão de Deus e ter uma vida livre do domínio do pecado, livre das coisas que surgem com cara de encanto e beleza e depois nos rouba a paz.

Extraído livro O “Invisível que habita em mim” de Aucenir Gouveia

Print Friendly

Autor

Poeta, Filósofo, Político. Pós graduado em Administração Pública e Gestão Pública. Ex-Funcionário do BB, Ex-Vereador e atualmente Servidor Público. Gerente da Agência do Trabalhador [SINE] da SEJU/MTE do Governo do Estado do Paraná, na Cidade de Mandaguaçu.

Number of Entries : 222

Comentários (2)

  • Flávio Jonas

    Muito bom gostei, uma ótima reflexão para se fazer pela manhã, parbéns, continue sempre nos mandando belos textos e mensagens.

    Responder
  • Evaldo Mendes - Guaira Pr.

    Muito bom, gostei, é realmente que a vida nos prega, temos que lembrar sempre que Jesus deu a vida por nós, e nós ajudar os irmãos a viver esta vida. Como temos a faca e o queijo na mão, sendo servidores em um local que podemos ajudar nosso próximo, não temos o direito de falharmos com nosso compromisso. Parabens…

    Responder

Comente

© 2013-2017 Site hospedado por:

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.
Ir ao Topo