You Are Here: Home » Afetividades » Por que gostamos de quem não gosta da gente

Por que gostamos de quem não gosta da gente

Outro dia, li uma frase divertida na internet: “Tem 10 pessoas em uma sala, 9 gostam de você. Adivinha qual você vai querer?”. Apesar de parecer exagerada, essa anedota reflete bem algo intrínseco ao ser humano: A nossa habilidade de gostar de quem não gosta da gente.
Há quem diga que essa tendência vem da nossa arrogância de não querer aquilo que está fácil demais. Por que ficar com aquela mulher que já está ganha, se posso correr atrás da que não tenho?

Esse “masoquismo” sentimental também está intimamente ligado ao nosso orgulho que é ativado ao sermos rejeitados. Quase como se este pequeno diálogo se passasse dentro de nós:

“Como assim aquela mulher não gosta de mim? Eu sou bonito, gente boa e trato ela bem. Por que ela não fica comigo? Agora, tenho que conquistá-la na marra.”

Acontece que o desprezo exerce uma poder gigante sobre o ser humano. Tal qual um alpinista que olha para uma montanha nunca antes escalada, um sentimento de obsessão cresce dentro de nós diante do “impossível”. Infelizmente, o topo do Everest não foi feito para todos homens.

Infantilmente, lidamos com a rejeição dado murro em ponta de faca. Tentando chamar a atenção da pessoa que não se interessa pela gente. Tentando vencer um caso que há tempo foi encerrado no tribunal. Precisamos provar ao mundo que não somos pessoas para serem rejeitadas.

Imagem ilustrativa do google

Imagem ilustrativa do google

Deixamos aquela mulher normal, que gosta e valoriza a gente de lado, para tentar uma chance com aquela que parece uma modelo de capa de revista – e que não está nem aí para nossa existência, pela simples vaidade de achar que “merecemos mais”.

Não estou dizendo que você deva aceitar qualquer coisa na sua vida. Você sabe melhor do que ninguém o que te faz feliz, mas se eu pudesse te dar um conselho, diria: Viva menos de expectativas e mais de realidades.

É comum desejar aquilo que idealizamos. Criamos uma visão romântica sobre a outra pessoa de que ela é mais mágica, bonita e especial que as outras. No fundo, não é.

Há também aqueles que não aceitam ser amados por baixa autoestima:

“Como assim essa mulher gosta de mim pelo o que eu sou? Sem que eu precise ostentar, usar máscaras ou fingir algo? Tem algo estranho ai.”

Esse tipo de pessoa se bota em um lugar tão baixo que não consegue aceitar outra pessoa que goste de alguém como ela. Como se fosse uma prova de mau gosto.

Com o tempo aprendi a me defender um pouco mais desses dois tipos de situação. Parei um pouco de tentar conquistar a atenção de quem não dava a mínima para mim  e focar um pouco mais em quem realmente importa. Aceitar um pouco mais o amor dos outros invés de correr atrás sozinho.

Por isso amigo, te digo: Valorize a pessoa certa que aparece na hora certa. Que te aceita e gosta do jeito que você é.

Um relacionamento envolve duas pessoas.  Nenhum relacionamento sincero começa com um só lado demonstrando interesse e correndo atrás. Afinal, amor é uma prova em dupla, não solo.

 

Com informações de Edson Castro do Msn.com

Print Friendly

Autor

Poeta, Filósofo, Político. Pós graduado em Administração Pública e Gestão Pública. Ex-Funcionário do BB, Ex-Vereador e atualmente Servidor Público. Gerente da Agência do Trabalhador [SINE] da SEJU/MTE do Governo do Estado do Paraná, na Cidade de Mandaguaçu.

Number of Entries : 219

Comente

© 2013-2017 Site hospedado por:

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.
Ir ao Topo